Home
Para Ana . . .
O Dogue Merle
Como Escolher um Filhote
Padrão da Raça FCI/CBKC
Videos Educacionais AKC
Segredos do Pedigree
Maxim
Fritz
Oliver
Upponny in Doggerrland
Gemini
O Romance: Fritz&Maxim
Filhotes da Maxim
Filhos de Maxim
Filhotes Disponíveis
Filhotes Internacionais
Características
Temperamento
Para Quem é o Dogue?
Do que é que eles gostam...
Dogues Aprendem a Amar
Orelhas do Dogue Alemão
As Cores do Dogue Alemão
O Dogue Plaqueado
The Piebald Dane
Linhagens do Dogue Preto
Salve o Merle
O Merle na Reprodução
O que os Merles têm a dizer...
Regra Acasalamento GDCA
Regra Acasalamento CBKC
Displasia Coxofemoral
Cuidando & Educando
Cama, Mesa & Acessórios
Links
Links: Videos Legais
Contato
 


“Mas  aquele  que  sacrifica  um  boi  é  como  quem  mata  um  homem;  aquele  que  sacrifica um cordeiro  é como quem quebra o pescoço de um cachorro; aquele que faz oferta de cereal é como quem apresenta sangue de porco,  e  aquele  que  queima incenso memorial,  é como quem adora um ídolo.  Eles escolheram  os seus caminhos,  e   suas   almas  têm   prazer  em suas   práticas detestáveis.”    Disse Deus, o Senhor, em  Isaías 66:3









                                                          Por   Monica  Reifegerste 





O  Padrão oficial  da  raça, estabelecido  pelo  DDC -  Deutscher Doggen Club  -  assim  define  o Dogue Merle:

"Grautiger (diese haben bei schwarzer Fleckung eine graue Grundfarbe)."  Padrão DDC

Portanto, por definição, um dogue  MERLE é, basicamente,  todo  Dogue Alemão  que apresenta manchas pretas sobre  uma  pelagem  de base cinza.

Esta  cor  de  pelagem  é  muito  comum  na  Variedade de Dogues Alemães Pretos & Arlequins, são   cães   potencialmente   tão   saudáveis   e   inteligentes  quanto  qualquer   outro   irmão  da ninhada  a  qual pertence,  porém  são vendidos  bem  abaixo  do  preço, devido  ao  fato  de  sua cor  ter sido considerada, arbitrariamente, (sem nenhum fundamento científico justificável) como "desqualificante"  no  padrão  oficial  da  raça.


    
 

 

 
 DOGUE  ALEMÃO  MERLE


        
Elvis Quetzalcoatl   


   
Pics Archives Week 269 


        
Great Danes Online


       
www.danesonline.com

           

Do  ponto  de  vista  morfológico, ou seja,  em relação  a  sua  saúde,  temperamento, estrutura  e outros  atributos que são  próprios  à raça  Dogue Alemão, o dogue MERLE  têm  um patrimônio genético   idêntico  a  qualquer  outro filhote da ninhada.  O  filhote  "Merle" difere-se  dos  seus  “valiosos”  irmãos  arlequins  única  e  exclusivamente  pela  cor  de  sua   pelagem.



Conheça PENELOPE  do canil  norte-americano  Pacific Coast Harlequins,  um  exemplar  MERLE cuja beleza e inteligência,  aliadas à saúde e  longevidade,  rendeu-lhe  muitos títulos  em   pistas de  Agility , além  de  muito  orgulho  e  muitas  alegrias  aos  seus  proprietários.



 
           
 
              P E N E L O P E 

 
 

  Penelope nasceu em 19/07/1996

    e  faleceu  em  07/07/2007,

 praticamente aos 11 anos de idade.

 

  Visite a página de Penelope no site

  do Canil Pacific Coast Harlequins

www.pchgreatdanes.com/Penelope.htm

                    Canil Pacific Coast Harlequins


Conheça a história de Penelope em:

www.pchgreatdanes.com/Penelope-TheMagicalMerle-Story&Photos.pdf 

Pedigree da Penelope:   www.pchgreatdanes.com/penped.htm 




Embora estes exemplares  -  MERLES  -  não possam participar de exposições e ganhar títulos em campeonatos de beleza, devido a  esta  desqualificação  prevista no  padrão oficial da raça, tanto nos países da  Europa como no Canadá  e nos  EUA  são  amplamente utilizados em  programas de reprodução, sempre  que  apresentam  potencial  em  quesitos como  estrutura, temperamento, movimentação,  inteligência, saúde, etc.




A título de exemplo, conheça o campeão Borée Atos D'Iskandar, o melhor macho da raça Dogue Alemão no Eurodog 2009.     Sua  mãe  é  uma  dogue  MERLE.



 

 

 

 

Borée Atos D'Iskandar
 

 Veja mais fotos de Borée no site www.iskandardogue.com/page-boree-atos.htm




Veja, abaixo, a mãe do campeão europeu Borée,   Tariqa d'Iskandar:



 

 

 

                 Tariqa d'Iskandar 

             Mãe do campeão Borée


 

                 Pedigree de Tariqa:

www.iskandardogue.com/pedigreetariqa.html

                          Canil Iskandar



Assim  como  dogues  arlequins  podem   produzir  merlesmerles  podem  produzir  arlequins, pretos,  mantados  e  plaqueados.  Todas  estas variações  de  cores  fazem   parte  do  patrimônio genético  desta variedade de Dogue Alemão -  Arlequim& Preto  -  portanto, a  discriminação em relação a cor  merle  ocorre  exclusivamente  no  padrão oficial da raça,  por  mera  convenção.



Deve-se levar em consideração, ainda, que  o Padrão Oficial da Raça,  estabelecido  pelo  DDC  e adotado pela FCI e CBKC,  foi originalmente estabelecido em 1880 e, muito embora tenha sofrido algumas alterações e revisões desde então, as variedades permanecem as mesmas  desde aquela época, bem como a desqualificação  imposta  aos  cães  cuja  cor  de   pelagem  é  conhecida  por MERLE, atentando-se ao  fato  de que  não havia  nem há, até os dias de hoje,  qualquer suporte técnico ou científico para tal arbitrariedade.


Tariqa  produziu  várias   ninhadas,  praticamente  todos   seus    filhos   e   filhas   têm   as  cores estabelecidas e aceitas no padrão oficial, quase todos participam ou participaram  em exposições na  Europa, acumulando muitos títulos e têm sido também  amplamente  utilizados em  programas de reprodução por  muitos  criadores  europeus  renomados.


Infelizmente, no Brasil, verifica-se ainda uma visão muito estreita em relação aos dogues merles, devido a falta de informação e falta de conhecimento.


Conseqüentemente,  a  falta de  senso  crítico  em  relação  ao  padrão oficial  da  raça  ainda  têm levado muitos criadores  a  priorizarem o  critério  "cor"  em  seus  programas de reprodução,  em detrimento  de outros critérios  muito  mais  relevantes  como:  estrutura,  temperamento, saúde e movimentação.





No quesito cor, a  única  recomendação que deve  ser   levada  em  consideração  quando  em  se tratando  de  programas  de  reprodução é a seguinte:  da  mesma  forma  e  pelas mesmas  razões que   não   se  deve  acasalar  arlequins entre si,  (na  Alemanha  está  proibido) ,   também  não  é recomendável  acasalar  merles  entre si.  Tanto os dogues  arlequins  quanto  os   merles  devem ser,  preferencialmente,  acasalados  com  pretos  ou  preto-mantados.  Isto   por  se  tratarem   de cores  da  mesma  Variedade,  no  casoa  variedade Arlequim & Preto.

Ver no site  DDC em Ratgeber/Fragen zur Zucht /8º parágrafo:  www.ddc1888.de/Zucht.52.0.html





O clube alemão  DDC , (assim como a  FCI / CBKC )  apresenta  cinco  padrões de  cores  iniciais, sendo que estas  foram divididas em  três  VARIEDADES   distintas   e   independentes:

1 - DOURADO   &  TIGRADO    
2 - ARLEQUIM  &  PRETO ---- ( incluídos  PRETO-MANTADO   e   PRETO- PLAQUEADO)      
3 - AZUL   -------------------------- ( incluídos os exemplares   PRETOS  com ascendência  AZUL)


Levando-se em consideração de que há três variedades independentes, estabelecidas no padrão oficial  da raça Dogue Alemão e de que estas três variedades já estão efetivamente consolidadas por   meio   de   processos  de   seleção,   não   é   recomendável    lançar    mão   de   cruzamentos intervariedades,  visto  que  este  expediente   promove   infindáveis   amostragens  de  cores  de pelagem, em prejuízo e detrimento da  raça, tendo  em  vistas  que  descaracteriza  os  padrões de cores  já  estabelecidos  e coloca  em  risco  anos e anos  de  programas de  reprodução  seletiva.




Concluindo esta  questão sobre  os  MERLES, apresentamos  abaixo  uma  citação de um estudo em genética  sobre este assunto:


“A  principal  cor  cuja  desqualificação  parece   insensata  é a  cor  merle.  Dogues  Merles  são comuns  e   impossíveis  de  erradicar-se  da   raça.  Enquanto   houver   arlequins,   merles  serão inevitáveis.  Pensa-se   que  o gene arlequim seja um gene letal,  sendo assim todos os arlequins homozigotos  são abortados ou  natimortos. Isto significa que todos os arlequins sobreviventes devem ser Hh no locos H e,  assim sendo, heterozigotos  para  arlequins.  Seja qual for a cor que acasalar –se  com arlequim,  será   transmitido  adiante  H  ou  h,  e  M  ou  m..   As  combinações possíveis são  HM,  Hm,  hM  e  hm.  Assumindo-se  que  os  genes  do outro progenitor  sejam  hm, HM  irá  resultar  em  um  arlequim,  Hm  irá  resultar  num  arlequim  portador  de  sólido,  hm resultará num sólido, e hM  resultará num Merle. Sendo assim,  em  cada  acasalamento  há  uma probabilidade de 25%  em  obter-se  um   merle.  Mesmo  acasalando-se  arlequim  com  arlequim obter-se-á   filhotes  merles  (como  também  os   merles  duplicados  e  arlequins  –  os  arlequins duplicados não sobreviverão).  Baseando-se nestas premissas,  parece  ilógico  desqualificar  os merles, especialmente  considerando-se  que  sem  o  gene merle,  o  tão valorizado arlequim  não existiria.  Soma-se  a  tudo  isto o fato de que a cor merle é muito mais antiga do que a arlequim e  deve  ter  existido  na  raça  Dogue  Alemão  por  algum   tempo  antes  que  a  mutação  arlequim ocorresse,  portanto,  a  história  está  firmemente  ao  lado  do  Dogue Alemão  Merle.” 

Fonte: Dog Coat Color Genetic:  Extras, Great Danes , COLOURS AND PATTERNS IN THE GREAT DANE.   http://abnormality.purpleflowers.net/genetics/index.htm



Para aqueles que ainda não entenderam, nós explicamos: ainda  que todos  os criadores ao redor do mundo excluíssem, sistematicamente, por dezenas ou até por centenas de anos os exemplares MERLES  dos   programas  de   reprodução,   eles   continuarão  surgindo   nas   ninhadas  desta variedade, uma vez que TODO dogue alemão ARLEQUIM tem o gene merle, sem o qual  ele não existiria.


Do ponto de vista histórico,  lê-se  no  Padrão Oficial da Raça que, inicialmente, entendia-se  por Dogue Alemão  um  cão  grande e  forte, sem que  pertencesse a nenhuma raça específica  e, por  conseguinte, pode-se  inferir que provavelmente  apresentava diversas amostragens de cores na pelagem. A partir destas amostragens, num esforço de determinar as cores que deveriam compor a   raça,  o   primeiro   padrão  oficial   foi  determinado,  definindo-se   três  variedades  de  cores, distintas e independentes, variedades estas que, a partir  de  programas de reprodução  seletiva, deveriam ser consolidadas e aprimoradas, conjuntamente com os demais atributos estabelecidos no Padrão Oficial da raça, então recém definido.


Contudo,como não havia suporte teórico-científico na época para distinguir as cores resultantes de cruzamentos  mistos  daquelas  que  eram  geneticamente  inerentes a determinado grupo,  no caso, à variedade Arlequim e Preto,  é  bem  provável que a cor MERLE, conhecida no padrão de origem  por  "Grautiger",  tenha  sido equivocadamente  excluída  da  variedade  e   erroneamente listada  entre  aquelas  cores  desqualificantes,  resultantes de cruzamentos  intervariedades.

"Grautiger (diese haben bei schwarzer Fleckung eine graue Grundfarbe). "  Padrão DDC


Resta-nos agora esperar que o DDC -  Deutscher Doggen Club  -  Clube Alemão da  Raça Dogue Alemão  -  a quem coube a responsabilidade de estabelecer e manter constantemente revisado o Padrão  Oficial  da Raça,  (padrão este aprovado e incluído pela FCI e adotado pela CBKC)  rever a classificação da cor MERLE e assumir, publicamente, este equívoco que tem sido  responsável pela   discriminação   e   sacrifício   de   centenas  de    filhotes   saudáveis   que   apresentam   ou apresentavam  esta  cor  de  pelagem.


Cremos  que  o  DDC  -  enquanto uma  instituição séria e comprometida com os valores éticos  e morais nos quais está fundamentada, saberá assumir não somente os méritos de ter  contribuído histórica e  geograficamente  com a criação  e o  desenvolvimento desta  raça  maravilhosa e que tanto apreciamos, mas   também  os equívocos que tenha cometido, ainda que inadvertidamente, trazendo as devidas alterações e correções em benefício do bem estar da raça, na Alemanha e ao redor de todo mundo.



                                                    Página publicada em fevereiro de 2012


                                                                V O L T A R /  B A C K        


 
Top