Home
Para Ana . . .
O Dogue Merle
Como Escolher um Filhote
Padrão da Raça FCI/CBKC
Videos Educacionais AKC
Segredos do Pedigree
Maxim
Fritz
Oliver
Upponny in Doggerrland
Gemini
O Romance: Fritz&Maxim
Filhotes da Maxim
Filhos de Maxim
Filhotes Disponíveis
Filhotes Internacionais
Características
Temperamento
Para Quem é o Dogue?
Do que é que eles gostam...
Dogues Aprendem a Amar
Orelhas do Dogue Alemão
As Cores do Dogue Alemão
O Dogue Plaqueado
The Piebald Dane
Linhagens do Dogue Preto
Salve o Merle
O Merle na Reprodução
O que os Merles têm a dizer...
Regra Acasalamento GDCA
Regra Acasalamento CBKC
Displasia Coxofemoral
Cuidando & Educando
Cama, Mesa & Acessórios
Links
Links: Videos Legais
Contato
 

“Na  verdade,  sei  que  o  SENHOR  é  grande, que  o  nosso  Soberano  é  maior  do  que  todos os deuses.” Sl 135:5








Nesta página, traduzimos e publicamos o  Código de Cores de Criadores  -  Breeders´Color Code em  que  constam  os  acasalamentos  recomendados  pelo Clube Americano de Dogue Alemão - GDCA.

Este código  foi  endossado pelo GDCA e está  publicado  nas  páginas  do site oficial  do clube. Ver em Breeders´Color Code.







                                                        Por Monica Reifegerste



                                                    BREEDERS' COLOR CODE

                                      (Endossado pelo Great Dane Club of America)



Há  somente  seis  cores  reconhecidas;  estas  basicamente  dividem-se  em   quatro   variedades de  cores:

- DOURADO  e  TIGRADO
- ARLEQUIM,  MANTADO  e  PRETO DE CRIAÇÃO ARLEQUIM
- AZUL  e  PRETO  DE CRIAÇÃO AZUL
- PRETO

Tendo-se por  procedente as Classificações de Cor,  o  Clube Americano de Dogue Alemão, Inc. considera  uma  prática desaconselhável  misturar  estirpes  de  cores  e  é  da  política  do  clube assentir  somente  os  seguintes  acasalamentos:

Acasalamentos Recomendados GDCA





                         Para melhor visualização, veja  a  ilustração  abaixo:


               DOURADO  &  TIGRADO                AZUL   &   PRETO DE AZUL

Four color strains GDCA

     ARLEQUIM , PRETO & MANTADO      PRETO DE CRIAÇÃO PRETO


VEJA,  AINDA,  A  PÁGINA  DO  NOSSO  SITE   LINHAGENS  DO  DOGUE  PRETO .






                                                       Por   Monica  Reifegerste             



Conforme pode-se constatar, o Código de Cores dos Criadores  - Breeders´Color Code - é  muito claro  e  bastante  específico  quanto  as  variedades  em  que se  dividem as cores reconhecidas 
 pelo Clube Americano de Dogue Alemão -  GDCA -  e  quanto aos  acasalamentos  desejáveis  e permitidos   para   cada   uma   das  variedades.

Entretanto,   observa-se  que  nos  EUA  a  prática  de  acasalamento  inter-variedades   está   se tornando  cada  vez  mais  freqüente,  a  despeito do que ficou definido no Breeders´Color Code.

Esta constatação  fica evidente quando pesquisamos na internet os  pedigrees de cães  da  raça Dogue Alemão  norte-americanos  que obtiveram títulos em exposições oficiais de  cinofilia  nos EUA e em outros países.

Também pode-se constatar  esta  discrepância quando visitamos  páginas de filhotes de sites de criadores  norte-americanos  conceituados,  onde  aparecem  a  matriz  e o  padreador da ninhada pertencentes a variedades distintas.

Podemos  encontrar também, com maior freqüencia,  fotos  de exemplares  filhotes  e  adultos  da raça  Dogue  Alemão  nas  mais  diversas  amostragens  de  cores,  todas  não  padronizadas,  em muitos  sites de canis de dogues alemães diferentes,  bem como em sites especializados da  raça, resultantes  da  prática  de  acasalamentos   inter-variedades.

Muitos canis  que se utilizam desta prática,  publicam  em   suas   páginas   apenas  as   fotos  de filhotes e de cães adultos que nasceram  com  a  pelagem  dentro  do  padrão desejado.   Quanto aos  demais  que,  provavelmente,  também   nasceram   da    mesma    ninhada  do   acasalamento inter-variedades,  estes  não  aparecem   nem  tampouco  são   mencionados,  o   que   deixa   um  questionamento  no  ar ...  que fim  foi  dado a eles?

É bem  possível que em alguma ninhada, proveniente de cruzamentos inter-variedades, não  haja ocorrência de  filhotes  em  cores  não  padronizadas, porém, as evidências nos mostram que não podemos  supor  que  esta  seja  a  regra,  muito  pelo  contrário,  a  incidência de nascimentos de filhotes  com   pelagens  não  padronizadas  está  tornando-se  cada  vez  mais  recorrente.

Mas, a pergunta é: como é possível  haver  cães  provenientes de cruzamentos  inter-variedades, devidamente  registrados  pelo  clube  cinófilo  americano  AKC,  participando  de  exposições  e recebendo títulos, quando o código dos criadores  Breeders´Color Code  claramente  rejeita  esta prática  e, ainda,  afirma  que o  GCDA   aprovou   essa   norma  regulamentadora,  publicada   em uma  das  pagínas  do  site  oficial  do  clube? 

Levamos este questionamento a alguns criadores norte-americanos conceituados, os  quais não serão mencionados aqui,  mas  que  nos  informaram  o  seguinte:

O Breeders´Color Code  é  um  código  ético,  uma  espécie  de código de honra, código este que pode ou  não  ser  adotado  pelos  criadores  devidamente  regulamentados,  ficando a critério de cada um seguir ou não o que o código orienta.  Portanto, o código prevê uma recomendação aos criadores norte-americanos, não necessariamente uma obrigatoriedade.

E,  ainda, muito  embora  o clube norte- americano de  Dogue Alemão  GCDA  tenha  aprovado  e endossado  o  código dos criadores  Breeders´Color Code, o  não cumprimento  das  orientações de  acasalamento   constantes   nesse  código  não  determinam   nenhum   impedimento  para   o registro  de  ninhadas  provenientes  de  cruzamentos   inter-variedades  pelo  clube  de  cinofilia  norte- americano  AKC.

E mais, os filhotes oriundos de cruzamentos entre  qualquer  cor, seja  ela  padronizada  ou   não, independentemente  a   qual   variedade   é   pertencente,   por   exemplo:  DOURADO  x  PRETO; ARLEQUIM   x   PRETO  DE   AZUL;  TIGRADO  x   PRETO  DE AZUL;  TIGRADO    x    PRETO ou  TIGRADO  x  PRETO DE ARLEQUIM;  MERLEQUIM  x  AZUL;  e  assim  por diante, podem ser   registrados   pelo   AKC   e  considerados   aptos   para    reprodução,   ficando   apenas   os exemplares  com   pelagens  não   padronizadas,   provenientes  destes  acasalamentos,  fora  das exposições  cinófilas  do   país.

A única exigência imposta pelo AKC,  para fins de registro dos filhotes, é  a  de que a  matriz  e o padreador, ( o macho e a fêmea),  sejam  ambos  da  mesma  raça canina, no caso, da raça  Dogue Alemão, e  que  ambos  tenham  o  pedigree.  No  mais,  fica  a  critério  do  criador,  devidamente regulamentado, decidir  quais  filhotes  que  acha  por  bem  registrar  ou  não.

Temos  conhecimento,  também,  de  que  exatamente  por  esta   razão  alguns   criadores  norte-americanos optaram pela criação européia, sempre introduzindo tão somente cães importados da Alemanha  em  seu  plantel  para fins de reprodução.  Isto  porque  as normas de acasalameto do clube alemão  Deutscher Doggen Club  - DDC  são extremamente rígidas e também pelo rigoroso controle  que   há   quanto   aos   acasalamentos   permitidos  e  quanto  ao  registro  de  filhotes, buscando-se, com isso,  diminuir  a  incidência  de  exemplares  com  pelagens não padronizadas, decorrentes  de  acasalamentos  inter-variedades.

A  título de exemplo,  muitos   criadores   norte-americanos    conceituados   da    V a r i e d a d e   Dourado &  Tigrado   e x p l i c i t a m e n t e   desaconselham  a  prática  de  cruzamentos   inter-variedades  e   rejeitam, declaradamente,  o   cruzamento  de   qualquer  Dogue  Alemão  PRETO (independentemente  a  qual  Variedade  é  pertencente)  com  Dogues  Alemães   Dourados  ou  Tigrados.

Por outro lado,  alguns  criadores  norte-americanos  que  adotam  recorrentemente  a  prática  da criação  inter-variedades não receberam muito bem  nosso questionamento sobre  este  assunto, muito embora,  o  que  pretendeu-se  foi  tão somente o esclarecimento  e a  transparência  sobre  esta  temática.  Alguns  destes criadores   mencionaram   criadores   renomandos  do  Brasil  que  compram  cães  do  seu  plantel  e  os utilizam  na   sua  criação.  Por  motivos  éticos,  não  serão citados   nomes  de  nenhum  criador, sejam  estrangeiros  ou   nacionais.

Todavia,  é  importante  que  todos  os  criadores  tenham conhecimento destes fatos e busquem fazer suas  próprias pesquisas antes de introduzir  um  cão   de  outro  país ou de qualquer outro canil em sua criação,  para fins de reprodução.

Nossas   pesquisas apontam  que  há,  de  fato, criadores  nacionais  importando,   por  exemplo,  cães  de  fenótipo  preto,  cujos   pedigrees   apresentam   ancestrais  das   mais   diversas  cores  como:   dourado,  azul,   tigrado   e   que  estão,  efetivamente,  utilizando-se  destes  cães  pretos  na  sua  criação  de  Arlequins & Pretos,  entre  outras  criações  inter-variedades  que  não  são recomendadas .... 



                        CONTATO          V O L T A R /  B A C K         H O M E 

 
Top